Como funcionam as gôndolas de Veneza

Autor: 
Garth Sundem

Em 12 de setembro de 1846 os poetas ingleses Elizabeth Barrow e Robert Browning fugiram, deixando Londres e o tirânico pai de Elizabeth, que a proibia de se casar. Para onde vai um casal jovem, apaixonado e em fuga? No caso dos nossos poetas, Itália. Eles foram primeiro para Pisa, depois para um pequeno apartamento boêmio em Florença, e finalmente, Asolo, cidade perto de Veneza. Lá Robert Browning escreveu o poema "Numa Gôndola", que fala sobre o beijo.

Gôndola com passageiros no Grande Canal de Veneza
© Niko Guido/istockphoto
Gôndola com passageiros no Grande Canal de Veneza

Browning não foi o primeiro nem o último a sonhar com beijos em sua amada a bordo de uma gôndola. Desde que a nobreza começou a flutuar pelos canais da cidade, na Renascença, a gôndola se tornou um símbolo de Veneza e do romance intimamente ligado à cidade. O caso de amor dos escritores do século 19 George Sand e Alfred de Musset se desenrolou em Veneza; há até o registro de uma briga de namorados que incluiu um passeio de gôndola na hora de fazer as pazes. Também a atriz Eleonora Duse e o poeta e dramaturgo Gabriele d'Annunzio tiveram seu caso em Veneza, no fim do século 19. E Veneza foi o cenário do primeiro encontro da famosa soprano grega Maria Callas com Aristóteles Onassis, que se tornaria seu marido. Callas chegou charmosamente atrasada, a bordo de uma gôndola, ao Palazzo Castelbarco. [fonte: Edwards].

Gôndolas são a última palavra em termos de romance. Para ter papel nesse romance, ou pelo menos ser capaz de discutir o tema apropriadamente, você precisa conhecer a cultura da gôndola. Como e quando ela surgiu? Saiba na próxima página.