Onde estão os melhores locais para safáris na África?

Com um pouco de sorte você vai topar com um leopardo preguiçoso durante um safari
© Steffen Foerster / iStockphoto

Com um pouco de sorte você vai topar com um leopardo preguiçoso durante um safári

Os países que proporcionam as melhores oportunidades de observação da vida selvagem estão principalmente nas regiões orientais e meridionais da África. Quênia, provavelmente a nação africana mais progressista em termos de economia e infra-estrutura, é o país mais famoso por seus safáris; a vizinha Tanzânia, o lar do majestoso Monte Kilimanjaro, é igualmente rica em vida selvagem e oportunidades para safáris; África do Sul, Suazilândia, Zimbábue, Botsuana e Zâmbia também são ricos em pássaros e animais selvagens e oferecem uma ampla variedade de safáris para as reservas particulares e públicas. As viagens pela Trilha dos Gorilas em Uganda estão ganhando popularidade rapidamente entre os turistas.

Quênia

Os parques nacionais no Quênia são mais visitados do que aqueles da Tanzânia ou Zâmbia e são especialmente bons para visitantes que querem um safari pequeno, acessível e barato. As principais bases de partida para safaris no Quênia são Nairobi, a principal cidade com excelentes conexões aéreas com o restante da África e do Mundo, e Mombassa, na costa oriental do Quênia. Os mais populares santuários de vida selvagem do Quênia são Masai Mara (Quênia Ocidental), Amboseli (Quênia Meridional) e Tsavo (o maior parque nacional do Quênia dividido em Tsavo Oriental e Tsavo Ocidental). São esplêndidos lugares para observar os animais caçadores descritos como os "cinco grandes": o leão, o búfalo, o elefante, o rinoceronte e o leopardo. Sem esquecer outros fascinantes animais, como os gnus, zebras e girafas. A vida dos pássaros é igualmente diversificada e inclui os mais evidentes e coloridos flamingos como as avestruzes, urubus, cormorões e águias.

A principal espécie ameaçada do Quênia é o rinoceronte negro, que foi alvo dos caçadores por anos. Apesar de ainda existirem alguns poucos rinocerontes negros na selva, os esforços de proteção da espécie se intensificaram ultimamente. Foram estabelecidos santuários deste rinoceronte nos parques nacionais de Tsavo e Lago Nakuru. Apesar do elefante não estar tecnicamente ameaçado, um grande número deles é morto a cada ano por caçadores invasores. Esses números caíram consideravelmente após a interdição internacional do marfim, em 1989.

As girafas podem ser vista em um dos parques nacionais em que o safari é permitido
© Brian Raisbeck / iStockphoto
As girafas podem ser vista em um dos parques nacionais em que o safári é permitido

Você encontrará a maior concentração de aves no lago Rift Valley em janeiro e fevereiro, a melhor estação de turismo com clima quente e seco. Os animais também tendem a se reunir em torno de cursos d´água nos parques de vida selvagem quando outras fontes secam, o que torna a vista igualmente boa por esta razão. De qualquer modo, um dos mais espetaculares eventos pode ser visto durante a "shoulder season" (estação seca) de junho a setembro: este é o período no qual ocorre a migração anual de gnus. Eles saem do Parque Nacional Serengeti da Tanzânia que traz aproximadamente 2 milhões de gnus à procura de pastos e vão para a Reserva Nacional Masai Mara do Quênia (dê uma olhada nessas criaturas incomuns - site em inglês).

Tanzânia

Embora a Tanzânia não possa alcançar a forte economia do Quênia, ela pode oferecer belas reservas de vida selvagem, incluindo o famoso Parque Nacional do Serengeti e o parque Ngorongoro, que se localiza na cratera de um vulcão extinto. Outras atrações turísticas incluem o santuário Jane Goodall de chimpanzés no minúsculo Parque Nacional Gombe Stream, perto da fronteira do Burundi (lá você não precisa de uma visita organizada e pode se misturar com os chimpanzés).

Os visitantes descrevem o Serengeti, localizado a nordeste da Tanzânia (vizinho à reserva Masai Mara) como um lugar mágico onde é possível avistar milhões de animais com cascos como zebras, antílopes, gazelas e gnus. As extensas savanas planas do parque também facilitam a observação da vida selvagem. Mais distante, a Reserva de Caça de Selous na região sudeste do país é provavelmente a maior reserva de caça do mundo com uma das mais altas concentrações de hipopótamos, elefantes (oficialmente mais de 100 mil), búfalos e crocodilos do planeta. Diferente de alguns parques nacionais tumultuados do Quênia, o Selous oferece uma vida selvagem vasta e intocada. O Parque Nacional do Monte Kilimanjaro é uma floresta tropical exuberante na qual a observação da vida selvagem nos permite contemplar o espetáculo do mais alto pico da África. O Parque Nacional de Arusha é um dos menores parques da Tanzânia, mas um dos mais bonitos. Ele também é um dos poucos parques no qual você pode caminhar - acompanhado de um funcionário, é claro.

Uma das maneiras de apreciar um safari africano é nos jipes adaptados para o passeio
bryta / iStockphoto
Bandos de zebras podem ser vistos durante safáris  nos parques e reservas da Tanzânia

Arusha é a capital do safári na Tanzânia e muitas companhias oferecem variados pacotes que saem daquela cidade, mas cuidado com quem você vai negociar, pois Arusha é conhecida como um local de convergência para companhias com voos noturnos em busca de turistas ingênuos (neste artigo você irá saber mais sobre planejamento de safáris). Para chegar em Selous e parar próximo a ela, você precisará partir de Dar es Salaam.

África do Sul

A maior parte das grandes caçadas na África do Sul (site em inglês) está concentrada em seus bem organizados parques nacionais, particularmente no maior e mais famoso, o Parque Nacional Kruger. Os campos de repouso de Kruger são construídos dentro de áreas protegidas e cercadas, suas estradas são boas e é fácil excursionar em carros particulares assim como em grupos organizados (você precisa fazer reserva prévia especialmente perto de feriados). Se você desejar um safári um pouco selvagem, pode querer visitar algumas reservas particulares fora de Kruger.

Lar para a última importante população de rinocerontes pretos e brancos com chifres intactos e para um número cada vez maior de elefantes africanos, a África do Sul orgulha-se de ter um significante número de animais que fazem parte dos "cinco grandes" e também dos menos conhecidos, os "cinco pequenos" - o ant lion, o buffalo weaver (grande colônias desses pássaros vivem em cidades com gramado trançado), o rhinoceros beetle, o elephant shrew e o leopard tortoise. A África do Sul também orgulha-se de ter 900 espécies de pássaros, incluindo a avestruz, o maior pássaro do mundo, e o Kori Bustard, maior pássaro voador e alguns dos mais coloridos e belos pássaros, incluindo o sunbird e o sempre presente flamingo.

Suazilândia

A pequena Suazilândia, uma das monarquias da África, tem parques nacionais muito interessantes. Esses incluem a Reserva de Caça Mkhaya , que é o lar de alguns rinocerontes brancos e pretos que a região tem lutado muito para proteger, e o Parque Nacional Hlane Royal, que se localiza próximo à antiga área de caça real e que trouxe os leões de volta em 1994. Também é importante mencionar o Santuário de Vida Selvagem Mlilwane no Vale Equlwini. Este é um dos poucos lugares onde você pode observar a vida selvagem a pé, a cavalo e em bicicletas.

Botsuana

Em Botsuana, leões como o da juba negra fazem a festa dos turistas
© Peter Malsbury / iStockphoto
Em Botsuana, leões como o da juba negra fazem a festa dos turistas

Como Botsuana é um pouco mais afastada da rota conhecida, seus maravilhosos parques nacionais e de observação de caça tendem a ser um pouco mais caros do que os da África Oriental. Apesar do crescimento de sua indústria de turismo, Botsuana é relativamente vazia. Dois terços do país são cobertos por grama e arbustos cobertos de areia do Deserto Kalahari. Surpreendentemente, aquelas gramas esparsas sustentam as maiores manadas de caça do continente africano.

Entre os melhores parques nacionais de Botsuana estão o Parque Nacional Chobe, que possui uma animada e curiosa população de babuínos, que saúdam os visitantes na entrada do parque. Mais emocionante é a população de elefantes de Chobe (estimada em cerca de 100 mil), que está entre as maiores populações sobreviventes de elefantes no mundo. O migratório elefante de Chobe (parte do grupo de Kalahari) possui o maior corpo de todos os elefantes existentes. Regras de direção em quatro rodas são necessárias aqui, já que a areia funda de alguns locais pode ser traiçoeira e é melhor evitar a área do Rio Chobe durante as chuvas fortes entre janeiro e março.

Botsuana é também o lar do Parque Nacional de Gemsbok, sua mais antiga e remota reserva de caça. O parque forma o primeiro parque entre as fronteiras da África com o Parque Nacional de Kalahari Gemsbok na África do Sul, permitindo migrações e movimento livre e criando um vasto ecossistema relativamente livre da influência humana. Possui vastas manadas de gemsbok (um antílope com pontudos e delgados chifres) e outros antílopes, como o elã, assim como o famoso leão de juba negra.

A Reserva de Vida Animal Moremi é considerada por muitos como o mais belo parque de caça da África Meridional, e a Reserva de Caça do Kalahari Central, fundada em 1961, é a maior reserva de caça do mundo. Os 52.800 quilômetros quadrados da reserva (ela é maior que a Suiça), localizada no centro de Botsuana e caracterizada por uma grande planície, antigos leitos de rios e terras desérticas, eram antigamente o lar do povo Basarua. Incentivados pelo governo, eles se mudaram (um tanto infelizes) para assentamentos onde modernas instalações, escolas e assistência médica são mais acessíveis. A observação de animais, incluindo girafas, hienas marrons, javalis africanos, cães selvagens, guepardos, leões e leopardos, é melhor de dezembro a abril, quando eles tendem a se reunir nos vales e planícies.

Zimbábue

Como a África do Sul, o Zimbábue atrai uma grande quantidade de turistas porque é acessível e fácil de visitar e geralmente seus preços de excursões e safáris são mais baixos do que os de Botsuana e Zâmbia. Este país oferece uma gama de cenários espetaculares, da mundialmente famosa Cataratas Victoria, os 1.700 metros de queda d´água que mergulham profundamente na garganta do Rio Zambezi, ao belo Parque Nacional Matopos, com suas misteriosas paisagens e exótica vida selvagem. Próximo das Cataratas Victoria temos o inigualável Parque Nacional Hwange, que foi criado com o propósito de conservar a vida selvagem em seu habitat natural. Nesse parque existem mais de 100 diferentes espécies de animais, incluindo grandes manadas de elefantes e 400 espécies de pássaros.

Zâmbia

A Zâmbia, um tanto distante das rotas conhecidas do Zimbábue, oferece alguns dos melhores safáris na África devido à ótima observação de caças em parques nacionais não danificados pelo turismo. O Parque Nacional South Luangwa, onde se acredita que o safári a pé se originou, oferece uma intensa concentração de vida selvagem ao redor do Rio Luanga e de seus lagos. Visitantes desse parque disseram ter visto de 30 a 70 hipopótamos no rio de uma só vez. A única das "cinco grandes" espécies ausente é o rinoceronte branco, que foi morto até a extinção. Os rinocerontes remanescentes da Zâmbia só são encontrados no Parque Zoológico Mosi-O-Tunya, nas Cataratas Victoria.

Bandos de hipopótamos podem ser vistos na Zâmbia e na Tanzânia banhando-se em rio
© Joe McDaniel / iStockphoto
Bandos de hipopótamos podem ser vistos na Zâmbia e na Tanzânia, banhando-se em rio ou circulando em suas margens

 

O mais antigo e maior parque da Zâmbia (aproximadamente do tamanho de Gales) é o Parque Nacional Kafue, onde grandes bandos - ou agrupamentos - de leões podem ser achados. O Parque Nacional Lower Zambezi é o mais novo e ermo parque nacional. Ele oferece uma oportunidade única de observação, pois um escarpamento ao longo do lado setentrional do vale age como uma barreira física para muitos animais. Isto significa que você pode ver grandes manadas de elefantes nas margens do rio.